Em novembro, roda de choro invade mercados populares de BH

Em novembro, o choro vai invadir os principais mercados populares de Belo Horizonte, em apresentações gratuitas. Siricotico, Piolho de Cobra, Pedacinhos do Céu, Sarau Brasileiro, Cortajaca, Flor de Abacate e Senta a Pua são os grupos escalados para, em uma roda descontraída, animar os freqüentadores dos mercados do Cruzeiro, Padre Eustáquio, Lagoinha e Mercado Novo. A cada sábado, um grupo recebe convidados especiais e homenageia um chorão da antiga. Esse é o formato do projeto “Choro Livre”, financiado pelo Fundo Municipal de Incentivo à Cultura, da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

Valorizar os espaços públicos da cidade, promover o diálogo entre artistas locais e nacionais, homenagear a memória do choro mineiro e oferecer debates e oficinas. Esses são os propósitos do projeto, que na sua primeira edição conta com as participações especiais dos instrumentistas Paulo Moura, Nicolas Krassik, Paulo Aragão, Rui Alvim e Pedro Aragão e Maurício Carrilho, fora convidados já conhecidos da cena samba-choro da capital, casos de Ronaldo Coisa Nossa, Dois do Samba, Warley Henrique, Fernando Sodré e Gabriel Guedes. Entre os homenageados estão Seu Mozart, Ausier, Bolão e Alaide.

“Esse projeto vem mostrar a força do choro em Belo Horizonte, que está se tornando um dos principais pólos de formação de instrumentistas, compositores e também de casas musicais do gênero”, avalia a produtora executiva do projeto, Karina Nicácio. Idealizado pelo cantor, compositor e agitador cultural Dudu Nicácio, o “Choro Livre” também oferecerá ao público interessado palestras e oficinas gratuitas, que serão realizadas na Fundação de Educação Artística (confira acima programação completa).

A intenção da dupla é consolidar o projeto no calendário de eventos da cidade, assim como os demais festivais existentes no país, como o de Brasília (Semana Nacional do Choro), Rio de Janeiro (Festival Nacional do Choro) e Belém do Pará (Festival de Choro da Casa do Gilson). O “Choro Livre” procura ainda tanto o resgate de uma linguagem musical tradicional quanto a sua renovação e transformação, incentivando o surgimento de novas técnicas.

O projeto “Choro Livre”, que marca também o lançamento da agência cultural Ultrapássaro Produções, dos irmãos Karina e Dudu Nicácio, conta ainda com o apoio do Clube do Choro de Belo Horizonte, Othon Palace, Estúdio Osso, entre outros.